Engage 2025: o futuro é hiperconectado

A hiperconectividade, quando cada "coisa" está conectada e falando entre si, é essencial para a transformação digital e acabará mudando a forma como todos trabalhamos. O IDC acredita que o hiper-tudo se tornou o novo normal, estabelecendo as regras básicas para uma década em que as organizações líderes serão "construídas com capacidade de hiperescala, em ecossistemas hiperconectados, movendo-se em hipervelocidade".

Na empresa digital hiperconectada, uma série de serviços surgirão projetados para tornar a vida mais fácil, aprimorando a colaboração em tempo real e ampliando as fronteiras da inovação. Ao conectar ativos, sites e pessoas importantes, as empresas podem trabalhar em alta velocidade, o que as tornará flexíveis e ágeis. Tomemos como exemplo as empresas de veículos com motorista, encomendados por meio de um aplicativo móvel: essas empresas pegaram um negócio tradicional, hiperconectaram os pontos e levaram a encomenda de um táxi a um nível totalmente novo.

"Na fase de hiperdrive, hiperescala e hiperconectividade da transformação digital, os CIOs devem transformar rapidamente suas organizações para se tornarem o futuro da TI", explica Serge Findling, vice-presidente de Pesquisa dos Programas Executivos de TI da IDC. A empresa prevê que, até 2023, mais de 80% dos CIOs serão líderes empreendedores que transformarão suas organizações em centros de excelência que impulsionam a colaboração e a inovação em toda a empresa. A hiperconectividade será um capacitador essencial dessa estratégia.

Repensando a rede

Depois de anos focando no desempenho e confiabilidade da rede, as organizações devem mudar seu foco para a simplicidade, confiabilidade e flexibilidade, de acordo com o Gartner. A automação, por exemplo, será crítica para habilitar as redes, tornando-as mais fáceis, mais seguras e responsivas às mudanças.

Quanto mais pessoas, lugares e coisas estiverem conectadas, mais o valor da rede aumenta. O IDC estima que, em 2025, haverá 41,6 bilhões de dispositivos IoT conectados, ou "coisas", gerando 79,4 zetabytes de dados. No mesmo ano, haverá cerca de 9 bilhões de usuários de smartphones e quase três quartos deles acessarão a Internet apenas em seus dispositivos móveis, de acordo com uma previsão da GSM Association. Os funcionários vão desejar estarem conectados 24 horas por dia, 7 dias por semana, de onde quer que estiverem.

Mudando a cara da web

Para ter sucesso em estar verdadeiramente hiperconectado, fornecendo comunicações pessoa a pessoa, pessoa a máquina e máquina a máquina, as organizações precisam de redes que minimizem a latência e protejam as comunicações críticas ponta a ponta. Além disso, maior largura de banda é essencial para integrar o número crescente de elementos conectados à rede, juntamente com aplicações complexas e diversas.

Essencialmente, esta nova geração de rede deve oferecer suporte a aplicativos de várias nuvens. Antes eram os aplicativos de TI, agora são os aplicativos que impulsionam a TI. As organizações estão usando nuvens privadas, públicas e híbridas para seus aplicativos, a fim de garantir que obtenham as melhores soluções da categoria, que fornecem uma vantagem competitiva, evitando a dependência do fornecedor.

SD-WAN: uma rede pronta para o futuro

Para superar limitações das redes legadas, as redes do futuro serão virtuais, dinâmicas e baseadas em software. A SD-WAN, por exemplo, é flexível, escalonável e capaz de provisionar aplicativos sob demanda para dispositivos conectados. A rede fornece uma visão incomparável da WAN, garantindo que a conectividade seja otimizada para todos os usuários.

Portanto, não é surpreendente que a SD-WAN seja um dos segmentos de crescimento mais rápido no mercado de infraestrutura de rede, com um mercado esperado para chegar a 5,25 bilhões em 2023, de acordo com o IDC. Isso se deve à sua capacidade de oferecer suporte a aplicativos de software como serviço (SaaS) e ao uso de nuvem híbrida e múltipla, junto com a capacidade de gerenciar mais facilmente os tipos de conexão na WAN para melhorar a experiência do usuário final.

5G: um benefício para redes de negócios

As redes 5G têm capacidade, flexibilidade e poder para impulsionar o uso de mais objetos conectados e abrir oportunidades para a IoT, serviços em nuvem, Indústria 4.0, tecnologias autônomas, automotivas e cidades inteligentes, bem como apoiar a tendência crescente de trabalho remoto. Os setores industriais, especialmente, estão buscando os benefícios do 5G para fábricas inteligentes, automação de rede e redes de autorreparação.

Levando as redes ao limite

Quanto mais conectados estivermos, mais esforços faremos para aumentar o desempenho. O edge computing é coleta e processamento de dados o mais próximo possível do dispositivo ou aplicativo. Isso é muito diferente de um cenário baseado em nuvem em que os dados são enviados a um data center remoto para serem processados e analisados, o que pode resultar em latência mais alta ou gargalos.

O edge computing é um componente essencial para o sucesso da rede 5G. Essa tecnologia pode ser dez vezes mais rápida do que a 4G, mas não há vantagens se houver problemas de latência ao enviar dados para data centers, especialmente com aplicativos de missão crítica, como veículos autônomos.

Ao mesmo tempo, mais dados podem ser analisados e em uma taxa mais rápida na ponta, graças à at-source computing. Esses sistemas de computação edge também serão capazes de filtrar os dados, decidindo quais devem ser retidos localmente e quais devem ser enviados para a nuvem, proporcionando automação em tempo real.

“O valor dos dados diminui rapidamente e, uma vez que a nuvem não é adequada para análise de dados responsiva, pode causar degradação de dados urgentes relacionados a aplicativos críticos, como falha em equipamentos, monitoramento de desempenho, análise de dados da cadeia de abastecimento e manutenção”, explica Jared Graham, consultor industrial da Frost & Sullivan. "Somente o edge computing é capaz de fornecer tempos de resposta mais rápidos, análises de baixa latência e o controle que as empresas industriais de hoje exigem".

A Orange está pronta para um futuro hiperconectado

Na Orange Business Services, estamos fortalecendo nosso negócio principal para antecipar ainda mais a necessidade de hiperconectividade, não apenas conectando sites, mas também pessoas, objetos, máquinas e processos para minimizar a latência e proteger as comunicações críticas.

Estamos construindo um portfólio de ativos em torno de nossa rede principal com fibra, all IP, SD-WAN e 5G. Como parte dessa transformação rápida e profunda, buscamos direcionar para que 30% de nossa receita seja proveniente de SD-WAN até 2025.

Além disso, estamos expandindo o alcance de nossa conectividade para mais perto do edge, o que nos permite estar mais próximos de nossos clientes e entregar um maior valor comercial. A nuvem fará parte de todas as nossas soluções e será facilitadora de todas as nossas propostas de negócio. Nossos clientes veem essa abordagem como um direcionador de valor, em oposição a um centro de custo.

Também estamos promovendo o SD-LAN, o IoT, o 4G e o campus 5G, quando chegar, para reinventar a conectividade privada e local para aprimorar ainda mais a experiência do usuário e impulsionar a inovação. Com a opção pré-paga predominante, monitorar a adoção do usuário é mais crucial do que nunca, portanto, continuaremos a desenvolver nossa experiência do cliente e plataformas de colaboração.

Em última análise, nosso objetivo é alavancar os recursos de nossa rede principal e obter mais valor no edge. Em vez de ver a nuvem e os dados como lugares isolados, construiremos pontes e links entre eles. Isso nos estabelecerá ainda mais como uma empresa de serviços digitais nativos de rede com a hiperconectividade como seu epicentro.

Glenn Le Santo
Glenn Le Santo

Glenn Le Santo, editor-chefe da Orange Business Services. Sou responsável pelo site internacional e pelos blogs em inglês da Orange Business Services. Nas horas vagas, sou literalmente capitão de meu próprio navio, passando meu tempo nos maravilhosos rios e canais da Inglaterra.