Diminuindo a lacuna de gênero na tecnologia

Você pode se perguntar por que estou escrevendo sobre este assunto se sou um homem. Embora eu nunca vá entender totalmente essas questões do ponto de vista de uma mulher, considero importante trazer minha própria consciência para este assunto. Eu acredito que a igualdade de gênero não é simplesmente um tópico para mulheres. Os homens podem ajudar ativamente a diminuir essa lacuna. A unidade e a compreensão da interseccionalidade podem nos guiar para alcançar nossos objetivos comuns e criar uma sociedade mais igualitária para nossos filhos.

Pesquisas mostram que o nível de engajamento e realização dos funcionários em empresas com equipes equilibradas de gênero é muito maior do que naquelas sem esse equilíbrio. No entanto, ainda me surpreende que as mulheres sejam apenas cerca de 15% de todos os profissionais de TI. A indústria precisa eliminar essa lacuna de gênero com urgência.

O Gartner prevê que até 2022, 75% das organizações com equipes de tomada de decisões de linha de frente que refletem uma cultura diversa e inclusiva excederão suas metas financeiras. Além disso, as equipes inclusivas e com diversidade de gênero superam as equipes homogêneas e menos inclusivas em aproximadamente 50%. Não há dúvida de que as mulheres criam um valor enorme para o setor digital.

Assista ao vídeo: Mulheres Criando Valor para o Setor Digital e para o Mundo, com Brandi Presti, parceira de Negócios Estratégicos Globais da Orange Business Services nas Américas

Um dos principais problemas é que apenas um pequeno número de mulheres está escolhendo campos relacionados a STEM no ensino superior. Surpreendentemente, apenas 3% dos alunos matriculados em cursos de tecnologia da informação e comunicação (TIC) em todo o mundo são mulheres. Estereótipos de gênero arraigados e preconceitos estão desencorajando meninas e mulheres de buscar carreiras na STEM.

Nas novas tecnologias, dificilmente aparece o envolvimento das mulheres. Por exemplo, apenas 5% das funções de inteligência artificial (IA) são desempenhadas por mulheres, contra 95% por homens. Essa tendência é uma preocupação, porque 85% dos empregos que veremos em 2030 ainda não foram inventados, mas provavelmente serão em tecnologias emergentes como IA. Com base somente nesse fato, onde isso coloca as mulheres em funções futuras de tecnologia? A Orange vê isso como um grande desafio que devemos enfrentar agora para trazer equilíbrio de gênero para o futuro da indústria de tecnologia. Para antecipar melhor essa diversidade na inovação, estamos aumentando a representação feminina em funções especializadas, como IA e dados, segurança cibernética e nuvem.

O que está limitando as mulheres na tecnologia?

Mais de um terço das mulheres que atualmente trabalham no setor de TI dizem que a falta de colegas e modelos de comportamento as tornou muito cautelosas ao entrar na área. As empresas de tecnologia precisam promover ativamente os planos de carreira para as mulheres a fim de superar esse obstáculo.

Assista ao vídeo: Mulheres Criando Valor para o Setor Digital e para o Mundo, com Glenda Brady, chefe de vendas, pré-vendas e marketing da Orange Business Services

Também há um problema com o vazamento do pipeline de talentos. Hoje, segundo a UNESCO, menos de 30% dos pesquisadores são mulheres. Ainda mais preocupante é que elas deixam o setor de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM) em uma taxa muito mais elevada do que os homens. Após 12 anos, cerca de 50% das mulheres deixaram os empregos na STEM, em comparação com 20% dos homens.

Isso significa que uma oportunidade de explorar as experiências e capacidades de inovação das mulheres está sendo perdida - muitas vezes para sempre.

Uma narrativa positiva

Fornecer às mulheres jovens modelos positivos é um passo na direção certa para deixá-las entusiasmadas com uma carreira em tecnologia.

Para resolver esse problema, a Orange está apoiando novas iniciativas e parcerias. Por exemplo, nosso programa Hello Women foi desenvolvido para aumentar a representação de mulheres em empregos técnicos e digitais. Por meio do programa, também buscamos aumentar a conscientização sobre as funções de trabalho em tecnologia entre jovens e estudantes, desmistificar alguns dos estereótipos que existem em torno dos empregos na indústria de tecnologia e fornecer treinamento apropriado para atrair e reter mulheres nesses setores.

Assista ao vídeo: Mulheres Criando Valor para o Setor Digital e para o Mundo, com Ruba Mousa, gerente sênior de engajamento da Orange Business Services no Egito, Oriente Médio e África

Acreditamos firmemente que a igualdade de gênero em todos os níveis é um facilitador de desempenho muito poderoso. Como resultado, também estamos engajados ativamente em mentores em todo o mundo para fornecer mais funções para mulheres. Como uma questão de prioridade, incluímos isso em nossa estratégia Engage 2025 e definimos metas destinadas a levar a um aumento significativo de mulheres em funções de gestão e STEM anualmente.

Assista ao vídeo: Mulheres Criando Valor para o Setor Digital e para o Mundo, com Janelle Koh, diretora da Unidade de Negócios do Cliente da Orange Business Services na Ásia-Pacífico

Investir em um futuro pool de talentos

A inovação tecnológica está se acelerando rapidamente. A tecnologia está ocupando cada vez mais nossas vidas diárias. É imperativo que a indústria de tecnologia seja um lugar onde as mulheres possam trabalhar e ter sucesso se a economia digital quiser manter seu ímpeto e combater a escassez de talentos.

De fato, vamos escolher desafiar a diversidade de gênero. A Orange está comprometida em preencher a lacuna da diversidade de gênero, destacando as vozes das mulheres todos os dias.

Kristof Symons
Kristof Symons

Kristof Symons é membro do Conselho Executivo da Orange Business Services e lidera a Divisão de Negócios Internacionais da empresa. Já ocupou cargos nos setores de Serviços Profissionais e de Integração, Grandes Clientes de Terceirização e Multisourcing e Programas de Transformação. Em seu tempo livre, Kristof gosta de ler sobre o futuro da inovação e psicologia humana. Ele também pratica artes marciais e lidera um clube de artes marciais na Bélgica.