5 tendências tecnológicas que devem impactar nos negócios em 2021

Em tempos de COVID-19, um dos desafios enfrentados pelas empresas é a redução do número de trabalhadores nos locais de trabalho. Essa mudança faz com que as demandas por soluções que auxiliem na conectividade e serviços em nuvem para fornecer um bom serviço remoto aumentem. Um maior tempo dentro de casa, exige um investimento em tecnologias que, antes, não eram consideradas prioridade no setor corporativo.

Com todas essas transformações, vejo como fundamental uma revisão sobre essas tendências, que serão essenciais para o ambiente de trabalho em 2021, e como elas se fundem com o mundo empresarial que está mudando em um ritmo cada vez mais rápido.

Colaboração

A maneira como trabalhamos mudou. Segundo uma pesquisa do Gartner a qual tive acesso, 48% dos colaboradores provavelmente continuarão desempenhando suas funções remotamente após a pandemia.

Colaboradores, clientes, fornecedores e parceiros de negócios estão se conectando de forma remota em todo o mundo, quando desejam, de qualquer dispositivo. Este ano, mais do que nunca, as empresas têm que implementar e consolidar ferramentas que facilitem a gestão de tarefas. Devem oferecer soluções de comunicações unificadas sob medida para o negócio, que proporcionem flexibilidade e autonomia nos processos, e que por sua vez eliminem riscos e aumentem a segurança.

A integração de ferramentas, com hubs e dispositivos operacionais em um só lugar, vai melhorar a gestão dos espaços de trabalho digitais, incluindo os aspectos sociais. Hoje, você pode projetar espaços atraentes e flexíveis.

SDN para conectividade empresarial

Até 2022, o mercado SDN deverá crescer e atingir um investimento de US$ 132,9 bilhões, de acordo com os números da Allied Market Research. Este conceito, que se soma às tecnologias de virtualização de funções de rede e WAN (SD-WAN) definida por software, permite maior eficiência no uso de recursos, agilidade e flexibilidade para fornecer conectividade, com melhor controle do desempenho da aplicação e políticas de segurança.

Com esta evolução da rede, o processo de gerenciamento e, até mesmo as questões operacionais, tornam-se mais simples. Um bom exemplo é a vulnerabilidade da informação, que sempre foi um fator crítico e se torna ainda mais importante com o aumento do número de dispositivos conectados e a necessidade de proteger todo o volume de dados armazenados.

Na prática, o SDN é um capacitador de novas tecnologias e pode ajudar a focar nas questões que impulsionam a transformação.

Multicloud

As empresas melhoraram a resiliência durante a pandemia, utilizando mais sistemas baseados em nuvem. A IDC estima que os gastos com hardware baseado em nuvem aumentaram 10,4% em 2020, em comparação com uma redução de 16,4% nos gastos com infraestrutura de TI tradicional.

Até o final de 2021, a maioria das organizações terá um mecanismo para acelerar a infraestrutura digital centrada nas nuvens. A adoção rápida criou o desafio de gerenciar eficazmente múltiplas implantações de nuvem quando o desempenho deve ser assegurado, monitorado e pago. As empresas precisam garantir que os serviços funcionem de forma rigorosa, que os SLAs sejam robustos e que os custos não fiquem fora de controle.

Edge computing

É uma nova etapa na evolução da computação em nuvem, que envolve a movimentação do armazenamento e o processamento de dados remotos de servidores distantes para a ponta da rede. Assim, estas não passam mais sistematicamente pela nuvem, mas são processadas localmente, perto das pessoas ou máquinas que as produzem e/ou consomem.

Esta tecnologia será protagonista na corrida para atender às novas exigências dos consumidores e das empresas em matéria de baixa latência e integrações de alta velocidade. De acordo com os números do Gartner e do IDATE, já existem entre 30 e 80 bilhões de objetos conectados.

O surgimento da Edge Computing está intimamente relacionado com a implantação da 5G, que fornece uma Internet móvel dez vezes mais rápida com latência de cerca de um milissegundo, bem como uma banda maior.

MSI, ponto único de contato, gerenciamento e controle

Isso tudo pode ser alcançado por meio da Integração de Serviços Multisourcing ou MSI. Ou seja, a unificação de todos os serviços de uma empresa em uma única governança, utilizando processos e recursos integrados de gerenciamento de TI.

Com a MSI, toda a administração está focada em um único fornecedor que é responsável por qualquer incidente relacionado à TI. Isto evita os conflitos e problemas de comunicação causados pelo manuseio isolado das tarefas, em que várias empresas são responsáveis pelas diversas interfaces tecnológicas.

Além disso, esta gestão unificada administra todos os contratos, facilitando a sinergia e promovendo o pleno funcionamento de todas as ferramentas e, por sua vez, reúne todas as soluções das empresas contratadas pelo cliente. É como uma orquestra: os fornecedores são os instrumentos com seus diferentes tons, e a MSI entra em cena como maestro, com a responsabilidade de fazer tudo funcionar em sincronia.

Neste momento, é importante um olhar analítico para o desenvolvimento dessas tendências no meio empresarial e atenção às mudanças significativas que podem ocorrer ao longo do tempo, além das adaptações necessárias. A partir disso, será possível vislumbrar, de maneira mais concreta, como esses investimentos em infraestrutura digital são capazes de melhorar os serviços e a eficiência dentro das empresas e qual deve ser a projeção desse cenário para um período pós-pandêmico.

Max Carvalho
Max Carvalho

Diretor de soluções para a América Latina da Orange Business Services